Atenção! Você está no site Defensive Agrovant. O conteúdo deste site é destinado à agricultura e demais profissionais do setor agrícola.

Dólar levanta soja no Brasil

Defensive Agrovant > Notícias > Dólar levanta soja no Brasil

Influência da forte alta de 1,15% na cotação da moeda dos EUA, além da volta da China às compras

Segundo apurou a pesquisa diária do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da USP), os preços da soja no mercado físico brasileiro fecharam a segunda-feira (07.10) com preços médios da soja nos portos do Brasil sobre rodas para exportação subindo 0,20%, para R$ 86,55/saca. Com isto, reduziu o acumulado negativo para 0,24%.

“A forte alta de 1,15% na cotação do dólar, somada à volta da China às compras no Brasil, suplantou a queda de apenas 1 cent/bushel na cotação em Chicago, permitindo que os preços médios que os compradores ofereceram sobre rodas nos portos do sul do Brasil ou seus equivalentes em outros estados tivessem alta”, explica o analista da T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Pacheco.

Os preços do mercado físico permaneceram praticamente inalterados, com R$ 88,50 para outubro sobre rodas no porto de Rio Grande e R$ 87,00 safra nova. No Paraná, R$ 79 balcão para o agricultor em Ponta Grossa, R$ 84,00 no mercado de lotes na mesma cidade pra 29/11 e R$ 89,50 Porto para início de junho.

PLANTIO

De acordo com a ARC Mercosul, o fim de semana foi marcado por chuvas sobre algumas porções do sudoeste de Goiás, centro do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e toda a região Sul do Brasil: “Os índices pluviométricos foram observados num raio de 5-30mm para tais regiões citadas. Entretanto, ainda há regiões de produção chave no Centro-Oeste brasileiro que ainda não receberam nenhum sinal de precipitações para a atual safra”. 

“Nos próximo 5 dias, uma corrente de ar frio empurra chuvas em um ‘corredor’ que vai desde o noroeste do Mato Grosso até o sul de Minas Gerais. Todo o lado sul de Goiás e o norte de São Paulo serão beneficiados por totais entre 10-40mm até o dia 12 de outubro. Entretanto, as leituras para a segunda metade do mês são desanimadoras, com chuvas concentrando apenas no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, concluem os analistas.

Fonte: Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat