Atenção! Você está no site Defensive Agrovant. O conteúdo deste site é destinado à agricultura e demais profissionais do setor agrícola.

Café: Bolsa de Nova York testa recuperação nesta 5ª feira após cair para 98 cents/lb

Defensive Agrovant > Notícias > Café: Bolsa de Nova York testa recuperação nesta 5ª feira após cair para 98 cents/lb

Às 09h28 (horário de Brasília), o vencimento maio/19 subia 10 pontos, cotado a 98,80 cents/lb

Os contratos futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam com leve alta nesta manhã de quinta-feira (07). O mercado externo do grão busca acomodação técnica depois da queda de cerca de 100 pontos.

Às 09h28 (horário de Brasília), o vencimento maio/19 subia 10 pontos, cotado a 98,80 cents/lb. Já o vencimento julho/19 avançava 5 pontos, a 101,35 cents/lb e o setembro/19 tinha valorização de 10 pontos, a 104,10 cents/lb.

No Brasil, no último fechamento, o tipo 6 duro era negociado a R$ 406,00 a saca de 60 kg em Guaxupé (MG) e em Poços de Caldas (MG) estavam valendo R$ 392,00.

Veja como fechou o mercado na quarta-feira:

Café: Otimismo com oferta volta a pesar e Bolsa de Nova York cai cerca de 100 pts nesta 4ª feira

Os contratos futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quarta-feira (06) com queda de cerca de 100 pontos. O mercado externo passou por movimentos técnicos, mas também sentiu a pressão do dólar no dia e informações sobre a oferta.

O vencimento maio/19 registrou queda de 95 pontos, cotado a 98,70 cents/lb, e o julho/19 anotou baixa de 100 pontos, a 101,30 cents/lb. O contrato setembro/19 registrou 95 pontos negativos, a 104,00 cents/lb e o dezembro/19 teve desvalorização de 95 pontos, a 107,80 cents/lb.

O mercado na ICE veio de valorização na véspera. No entanto, desde o início dos trabalhos desta quarta-feira, os preços caem seguindo a trajetória baixista dos últimos dias, quando se aproximou de mínimas de mais de 10 anos. Mas outros fatores também pesaram sobre os preços.

O dólar comercial encerrou a sessão desta quarta-feira com alta de 1,47%, cotado a R$ 3,8358 na venda, com investidores ajustando posições diante do retorno do Carnaval. A moeda estrangeira mais alta tende a encorajar as exportações, mas em compensação pesa sobre os preços externos.

“Não vemos relação com nada interno, até houve muitas notícias. Mas o mercado continua olhando para Previdência”, disse para a agência Reuters o analista de câmbio da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva Filho.

Do lado fundamental, também pesou sobre os preços informações da oferta. Operadores acompanham atentamente as recentes chuvas sobre o cinturão produtivo de café do Brasil. A safra 2019/20 do país está em desenvolvimento e no mês de janeiro altas temperaturas e baixos volumes foram registrados.

O site internacional Barchart destacou que o otimismo do mercado com a oferta de café também se elevou depois e o Rabobank, um dos principais bancos especializados de commodities, anunciou que a safra 2019/20 de café do Brasil pode atingir 57,6 milhões de sacas.

Divulgações da Colômbia também repercutiram no dia. A Federação de cafeicultores do país apontou aumento de 14,4% nas exportações em fevereiro e um salto de 2,5% na colheita do primeiro bimestre de 2019. Na semana passada, as altas exportações do Brasil também pesaram sobre as cotações.

Mercado interno

Os negócios com café arábica foram retomados em algumas praças de comercialização nesta quarta-feira pós-Carnaval. No entanto, o ritmo segue baixo com preços aquém das expectativas dos produtores. O mercado externo segue pressionando as cotações físicas do café pelo país.

“Os cafeicultores mostram desânimo com esse quadro de preços em baixa, custos em alta e clima irregular nesta época de crescimento dos frutos. Em muitas regiões produtoras, a safra já naturalmente de ciclo baixo vai ser menor ainda”, destacou em boletim o Escritório Carvalhaes.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 433,00 e alta de 2,36%. Foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 405,00 – estável. A maior oscilação no dia foi em Poços de Caldas (MG) com alta de 0,50% e saca a R$ 402,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 – estável. A oscilação mais expressiva ocorreu em Guaxupé (MG) com alta de 2,53% e saca a R$ 406,00.

Na sexta-feira (01), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 398,43 e alta de 0,44%.

Fonte: https://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/cafe-bolsa-de-nova-york-testa-recuperacao-nesta-5-feira-apos-cair-para-98-cents-lb-181330

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat